Agora há mais pessoas com mais de 65 anos do que com menos de cinco anos – O que isso significa?


As pessoas estão vivendo mais e tendo menos filhos, apresentando novos desafios e oportunidades.

Populações mais velhas estão subindo.

Até 2100, quase uma em cada quatro pessoas terá 65 anos ou mais, enquanto uma em cada 20 terá menos de cinco anos.

KENNEDY ELLIOTT, NGM PESSOAL
FONTE: NAÇÕES UNIDAS

PARA QUASE TODA a história humana, a população da Terra se tornou mais jovem. Mas desde o último Dia Mundial da População, em 11 de julho, ocorreu uma grande mudança: há agora mais pessoas com 65 anos ou mais de idade do que com menos de cinco anos.

O Dia Mundial da População foi estabelecido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em 1989 para chamar a atenção para as questões populacionais . Ter mais pessoas no planeta não é a única preocupação, pois a estrutura etária de uma população também é importante.

O aumento da longevidade é uma notável história de sucesso humano, mas ter mais idosos também cria uma série de preocupações socioeconômicas prementes. A população global continuará a envelhecer à medida que esses dois grupos crescerem em direções opostas. Em 2050, a proporção da população com 65 anos ou mais aumentará para quase 16% – mais do que o dobro dos menores de cinco anos.

“A pirâmide populacional em forma de triângulo é coisa do passado em muitos países – agora tem o formato de um barril”, diz o pesquisador Toshiko Kaneda, do Population Reference Bureau. A fertilidade diminuindo, o principal impulsionador, juntamente com expectativas de vida mais longas moldaram esse novo padrão.

Os gráficos da pirâmide populacional ajudam os demógrafos a mostrar a distribuição etária como uma porcentagem da população que cai em cada faixa etária. Gráficos mais retangulares como um barril significam que o crescimento da população está diminuindo, e que o tamanho da população é mais ou menos uniforme em todas as faixas etárias, enquanto os triangulares indicam que a população é jovem e está crescendo.

Hora de se preparar?

A maioria dos países desenvolvidos tem envelhecido há um século, dando-lhes tempo para se prepararem para as mudanças em toda a sociedade. Mas os países em desenvolvimento ficarão velhos antes de se tornarem ricos, explica Kaneda. Muitos países da América Latina e da Ásia estão envelhecendo muito mais rapidamente e têm menos tempo e recursos para preparar seus sistemas de pensão e saúde.

Quais são as conseqüências de uma população global mais velha? Apoiar os idosos é mais caro do que cuidar dos jovens. Pressionando questões surgem como fornecer cuidados de longo prazo, estruturar sistemas de pensões e manter uma força de trabalho. Em regiões desenvolvidas como a Europa, onde 10% da população com mais de 50 anos não tem filhos, o cuidado com idosos é uma grande preocupação.

A tendência de envelhecimento é mais prevalente no Japão, Europa, América do Norte e outros países desenvolvidos. Embora a geração dos baby boomers dos EUA tenha iniciado 65 anos em 2011, o país é bastante jovem entre outros países desenvolvidos, em parte devido às taxas de fertilidade acima da média de sua população imigrante.

“Nem um único país conseguiu reverter as tendências declinantes de fertilidade, apesar dos apelos do governo para que as pessoas procriem, como tem sido feito em toda a Europa e no Japão”, disse Kaneda. “A tendência de envelhecimento é persistente.”

As taxas de fertilidade estão próximas ou abaixo do nível de reposição em todas as regiões do mundo, exceto na África.

O desenvolvimento econômico lento, a melhoria limitada do acesso das mulheres à educação e o aumento da mortalidade devido à epidemia de AIDS mantiveram o continente relativamente fértil.

Ação do governo

Alguns países em desenvolvimento adotaram a abordagem oposta de países em envelhecimento, como o Japão e a Itália, usando medidas políticas para limitar a reprodução. China e Índia introduziram iniciativas de planejamento familiar na década de 1970, mas a China teve mais impacto e está envelhecendo mais rápido como resultado.

O declínio das taxas de fertilidade também pode ter efeitos positivos, diz Kaneda. Quando as taxas de fertilidade diminuem, mas a população ainda não envelheceu, os governos podem gastar mais em educação secundária e superior e impulsionar a economia. Tanto a Tailândia quanto a Coréia do Sul aproveitaram a oportunidade durante esse período de carência da estrutura populacional ideal.

*Texto escrito em inglês por Kelsey Nowakowski e traduzido para o Blog da Revolução Prateada.

Continue no Blog da Revolução Prateada e veja outros conteúdos como esse!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *