As empresas estão preparadas para a longevidade no mercado de trabalho?


O assunto desse texto é o aumento da longevidade no mercado de trabalho e como as empresas estão preparadas para esse tipo de mão-de-obra.

Esse conteúdo se trata de uma entrevista em que o programa Tarde Nacional conversou com o Alexandre Lima, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), também palestrante corporativo, CEO da MIND PESQUISAS e autor do blog Revolução Prateada.

Alexandre considera que a mudança de perfil populacional tem profundo impacto no mercado de trabalho. Para ele, tem duas faixas etárias que sofrem muito no mercado de trabalho. Primeiro é a dos mais jovens, com a dificuldade do primeiro emprego, e a segunda que sofre é a que tem 50 anos ou mais. Ele recomenda que os mais maduros precisam “agarrar” o emprego que tem.

O professor concorda que a lei trabalhista flexibilizou o horário e os dias de trabalho e diz que agora é possível que acordos sejam feitos entre a empresa e o empregado.

“O trabalho não precisa ser uma coisa horrorosa, escravizante. Para muitas pessoas, é uma fonte de realização, de significado e de socialização.”, segundo o Alexandre.

Alexandre alerta que os mais idosos não são mais os detentores do conhecimento técnico, o que significa defasagem, e os mais jovens são mais conectados com as ferramentas. Então, é necessário apreender o que está em volta e aprender perpetuamente para que a longevidade no mercado de trabalho seja efetiva.

 

* Conteúdo publicado originalmente no portal EBC e reproduzido no blog Revolução Prateada.

 

Continue no Blog da Revolução Prateada e veja outros artigos como esse!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *