As idades em que você é mais inteligente em tudo ao longo da sua vida


Se você acha que já testemunhou a ascensão e a queda de suas habilidades, pesquisadores têm notícias para você: No que diz respeito à sua inteligência, é provável que você ainda tenha vários novos picos para viver. Alguns deles, como a capacidade de ler as emoções dos outros ou de aritmética básica, não chegam até a meia-idade.

“Em quase todas as idades, a maioria de nós está melhorando em algumas coisas e piorando em outras”, disse Joshua Hartshorne, pesquisador da ciência cognitiva do MIT e principal autor de um estudo sobre como a inteligência muda com a idade, disse à Business Insider.
A equipe por trás desse estudo questionou milhares de pessoas entre 10 e 90 anos sobre sua capacidade de fazer algumas coisas, como lembrar listas de palavras, reconhecer rostos, aprender nomes e fazer cálculos. Seus resultados sugerem que, independentemente da sua idade, quase sempre há um novo pico em suas habilidades.

As idades em que você é o mais inteligente em tudo ao longo da sua vida

Veja a seguir os picos das nossas habilidades de acordo com certas idades, descritos no Portal Business Insider:

.

18 anos: A capacidade geral de processamento cerebral e a memória detalhada

Os cientistas usam um teste chamado Digit Symbol Substitution para avaliar tudo, desde demência até danos cerebrais. Ela exige que as pessoas usem várias habilidades cognitivas de uma só vez – incluindo velocidade de processamento, atenção sustentada e habilidades visuais. A ferramenta, que normalmente envolve o emparelhamento de números com símbolos, também faz parte da Wechsler Adult Intelligence Scale, uma das medidas de inteligência mais utilizadas.

Hartshorne empregou o teste em seu estudo sobre como a inteligência muda com o tempo e descobriu que o desempenho dos participantes geralmente atingia o pico no final da adolescência.

22 anos: A capacidade de aprender nomes desconhecidos

A maioria dos adultos é ruim em memorizar informações sem contexto, um fenômeno que os neurocientistas chamam de paradoxo de Baker/Barker. Um exemplo clássico dessa ideia é que você terá mais facilidade de lembrar uma história sobre alguém que assa (em inglês, bake) do que uma pessoa com o sobrenome Baker. Como não há contexto que ligue a pessoa ao nome, ela não fica em sua memória.

Os jovens não parecem estar tão sobrecarregados com essa questão – um estudo de 2011 descobriu que os seres humanos são melhores em aprender novos nomes em nossos vinte e poucos anos.

32 anos: A capacidade máxima de reconhecimento facial

O cérebro humano tem uma notável capacidade de reconhecer e identificar rostos e os cientistas estão apenas começando a entender o porquê. Em média, sabemos que nossa capacidade de aprender e lembrar de novos rostos parece atingir o pico logo após o nosso trigésimo aniversário.

Os primeiros pesquisadores a vincular o reconhecimento facial máximo a uma idade agora estão estudando os chamados “super-reconhecedores” – pessoas com uma capacidade rara e superior de reconhecer um rosto familiar. Não coincidentemente, muitos deles estão em seus 30 anos.

43 anos: As habilidades de concentração

Tendo problemas para se concentrar? Um estudo de 2015 de pesquisadores da Universidade de Harvard e do Laboratório de Atenção e Aprendizagem de Boston sugere que nossa capacidade de manter a atenção melhora com a idade, atingindo seu pico por volta dos 43 anos.

“Enquanto adultos mais jovens podem se sobressair na velocidade e flexibilidade do processamento de informações, os adultos que se aproximam podem ter a maior capacidade de manter o foco”, disse Joe DeGutis, um dos principais autores do estudo, em um comunicado.

48 anos: A identificação das emoções dos outros

Namorar é difícil. Uma das razões pode ser que geralmente somos ruins em ler as emoções das outras pessoas até chegarmos ao final dos 40 anos. Isso está de acordo com um componente do estudo de Hartshorne, que envolveu a exibição de milhares de imagens de pessoas de rostos cortados ao redor da área dos olhos. Os participantes foram convidados a descrever a emoção que a pessoa na foto estava sentindo. O desempenho atingiu o pico para pessoas com idade entre 48 anos.

50 anos: A capacidade de realizar cálculos básicos aritméticos.

Muitas pessoas acreditam que suas habilidades matemáticas vão parar depois de saírem da escola e deixarem de praticar aritmética. Mas da próxima vez que você tentar dividir a conta, lembre-se: sua capacidade de fazer subtração e divisão não atinge seu ápice até o seu 50º aniversário.

Em outras palavras, “pode não haver uma época em que você seja o melhor em tudo”, disse Hartshorne.

50 anos: A capacidade máxima de aprender e entender novas informações

Assim como sua capacidade de fazer matemática básica aos 50 anos, sua capacidade de aprender e entender informações gerais – como eventos históricos e ideias políticas – não atinge seu auge até aproximadamente a mesma idade, de acordo com o estudo de Hartshorne.

67 anos: As habilidades de vocabulário

Você já se perguntou por que você se dá mal nas Cruzadinhas? Boas notícias: seus melhores dias podem estar à frente. De acordo com as pontuações das pessoas nos testes de vocabulário de múltipla escolha, a maioria de nós não alcança o nosso máximo de habilidades em redação de palavras até que estejamos no final dos 60 ou início dos 70s.

 

Então, gostou dessas curiosidades? Legal saber que algumas habilidades só terão seu auge em certas idades

Então deixe seu comentário e compartilhe a postagem com seus amigos, mais novos e mais velhos. Eles vão gostar também!

Conheça a Revolução Prateada, o portal pensado para quem pensa nos prateados.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *