Como o enriquecimento musical pode mudar a vida dos idosos

Como o enriquecimento musical pode mudar a vida dos idosos

A música é uma ferramenta de cura que desbloqueia partes do cérebro que anteriormente não estavam disponíveis. Tem um efeito profundo sobre as pessoas em todos os lugares, especialmente os idosos.

Por Henri Harps

Como Coordenadora de Programação Musical para Serviços Sêniores Metodistas de Chicago, eu passo muito tempo com pessoas mais velhas. Alguns deles são extrovertidos, alguns são bastante reservados e alguns variam dia a dia. Uma moradora que tem perda de memória preferiu o isolamento e nunca quis sair de seu quarto – até que ela redescobriu o amor pela música.

Eu sabia que essa residente já fora uma boa pianista, e me perguntei se ela gostaria de tocar novamente.

Então eu ofereci a ela um acordo: se ela me ensinasse como melhorar meu piano, eu a ajudaria a transcrever a música jazz do começo do século XX que ela amava.

Semanas depois, a diferença era dia e noite. Ela se tornou mais sociável e eu vejo sua personalidade florescer toda vez que trabalhamos juntos.

Música traz o melhor das pessoas.

Para adultos mais velhos, especialmente pessoas com perda de memória, pode melhorar seu humor, energizá-los e ajudar a combater outros efeitos colaterais da perda de memória, como depressão e ansiedade. Estudos mostrando a influência positiva da música em idosos já existem há algum tempo.

O falecido Oliver Sacks, MD, observou neurologista e autor de best-sellers de “Musicophilia”, disse que as pessoas com perda de memória que ouvem canções nostálgicas podem lembrar momentos em suas vidas quando ouviram a música pela primeira vez. Eles ganham acesso a memórias e emoções que antes eram inacessíveis a eles.

Outro estudo da Universidade da Califórnia, em Davis, mapeou padrões cerebrais de pessoas ouvindo música familiar. Os resultados mostraram que regiões cerebrais específicas, ligadas a emoções e memórias autobiográficas – que são lembranças de episódios específicos, como a primeira vez que você dirigia um carro ou ia para o colégio – são provocadas pela música.

Esses estudos revelam uma relação única entre música e memória. É hora de reconhecer o valor da música no bem-estar dos adultos e integrá-la aos seus cuidados.

O novo programa “Sons de Cura” dos Serviços de Metodista de Chicago incorpora música terapêutica nos planos gerais de saúde dos residentes, na esperança de que cada morador tire alguma coisa de ouvir apresentações de música ao vivo ou compartilhar um iPod com voluntários para ouvir algumas de suas músicas favoritas. Estas sessões de música são frequentemente personalizadas para os gostos dos residentes e oferecem qualquer coisa, desde uma melodia hula havaiana até um canto “Take Me Out to the Ballgame” seguido de discussões sobre White Sox versus Cubs.

Temos sorte e agradecemos por poder fornecer música terapêutica aos residentes. Deve ser o direito de todas as pessoas terem oportunidades de se envolver com a música de uma forma que as ajude a aliviar o estresse, melhorar seu humor ou despertar lembranças.

Eu penso no meu tempo gasto com a residente que toca piano e a maneira como a redescoberta da música a trouxe para fora de sua concha e iluminou seu humor. Mas você não precisa ser um pianista habilidoso para experimentar os poderosos efeitos da música terapêutica. Adultos de qualquer idade podem experimentar uma melhor qualidade de vida com a alegria da música.

*Texto publicado em inglês no Blog da Daily Herald e traduzido para a Revolução Prateada.

Continue na Revolução Prateada e acompanhe outros conteúdos como esse.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *