Está no seu ‘momento sênior’? Melhor chamá-lo de outra coisa.


Aprendendo como chamar os novos sênior a partir da realidade do Canadá.

É oficial. Ninguém gosta de ser chamado de velho ou qualquer variação de lá.

O vovô, a vovó, o velhote, a geriatria, o aposentado e o idoso simplesmente não são fatisfatórios.

Talvez “mais velhos”, soe mais respeitoso. Mas você pode esquecer termo mais popular “sênior”.

Uma pesquisa da IPSOS de novembro diz que 80% dos canadenses, com 55 anos ou mais, não gostam do termo “idosos” e 30% preferem nenhum rótulo.

Wanda Morris, principal defensora e oficial de engajamento da CARP (Associação Canadense para Pessoas Aposentadas), disse que sua organização acompanha os “canadenses, enquanto envelhecem”, o que é um bocado.

“Um dos maiores subjacentes (razões para os mais de 55 anos rejeitar o termo senior) é o aumento da longevidade”, disse Morris, 58 anos.

“Então, quando estamos trabalhando para o que é um veterano, comparar um homem de 55 anos com alguém que está no grupo demográfico que mais cresce – o que é mais de 100 – é uma lacuna enorme”.

Até 2036, segundo o Statistics Canada, os idosos podem representar 25% da população total do país. A partir de 1 de julho de 2010, a agência informou que a população sênior do país era de 4,8 milhões – cerca de um em cada seis. Desse total, 1,3 milhão de indivíduos tinham 80 anos ou mais, enquanto 6.500 pessoas tinham 100 anos ou mais.

“Para um homem de 55 anos pensar em si mesmo como um veterano, eles estão pensando nos anos 80, 90 e 100 anos”, disse Morris.

“E isso é uma lacuna que é tão inadequado quanto dizer um intervalo de 15 a 45 anos e esperar que um termo homogêneo se aplique a eles. E eu acho que há muita discriminação por idade (devido a desafios mentais ou físicos) e é no Canadá como em qualquer outro lugar, então as pessoas não estão ansiosas por serem mais velhas. E sênior é definitivamente um termo que se aplica a ser mais velho ”.

Então, o que aqueles com alguma quilometragem a mais deveriam ser chamados?

O Economista recentemente o chamou de “a aurora do pré-tirado” e que o período entre o trabalho e a velhice precisava de um novo apelido, sugerindo Nyppies (Not Yet Past It, em Português, Não passou ainda) ou Owls (Older, Working Less, Still earning, em Português, Mais velho, Trabalhando Menos, Ainda Ganhando).

A equipe da Revolução Prateada interpreta os termos em Inglês no sentido de que os, então denominados sêniors, não são nem jovens, nem velhos demais. Ainda que estejam em um ritmo menos acelerado, ainda estão em atividade e têm disposição para produzir, se divertir e consumir. Ainda não estão no fim, por isso têm muito para viver!

“Uma pessoa que eu conheço no campo financeiro fala sobre quando você está aposentado você tem ‘seu go-go, seu slow-go e seu no-go’ anos”, disse Morris.

“Eu acho que a maioria das pessoas da minha (faixa etária) está muito feliz em ser chamada de baby boomer (nascida entre 1946 e 1964)”.

Morris acrescentou que, à medida que o grande número de baby boomers envelhece, as principais preocupações são o abuso de idosos, o isolamento social, o cuidado de longo prazo e – o maior de todos – a segurança financeira.

“Estamos perdendo planos de pensão de benefício definido, então isso é uma espécie de garantia de aposentadoria garantida que as pessoas costumavam conhecer está desaparecendo”, disse ela.

Texto escrito por Jane Stevenson para o Toronto Sun e traduzido para a Revolução Prateada.

Continue na Revolução Prateada e acompanhe outros conteúdos como esse.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *