O distanciamento social e COVID-19 – ajude os idosos a se conectarem


À medida que os números aumentam para os infectados com o novo coronavírus , aumentam os perigos para as populações vulneráveis. Pessoas mais velhas ou com condições médicas subjacentes correm o risco de consequências mais graves , incluindo falência de órgãos e morte. Os dados mais recentes da China indicam que a grande maioria dos casos relatados ocorreu em idosos; os idosos também tiveram o maior risco de doenças respiratórias e morte.

Se a disseminação do COVID-19 continuar – e todas as indicações sugerirem – as pessoas devem garantir que estejam protegidas.

Sou geriatra e professora associada da Universidade de Virgínia em medicina geriátrica. Até agora, a doença não está presente no meu hospital ou clínica. Porém, nossa equipe já está se preparando para minimizar o impacto do COVID-19, principalmente nas pessoas que mais ameaçam.

Juntamente com outros hospitais em todo o país, nos mantemos informados sobre as recomendações locais e nacionais para triagem, testes e equipamentos de proteção. Garantimos que a equipe e os pacientes saibam sobre a higiene adequada das mãos. Tomamos medidas extras para manter as instalações limpas, como remover revistas das salas de espera e implementar uma política de “você toca-no-pega-pega” para folhetos e brochuras. E incentivamos todos os nossos pacientes a telefonarem para um médico se desenvolverem febre ou novos sintomas respiratórios.

Acima de tudo, estamos fazendo o possível para obter as informações corretas para a comunidade, principalmente os idosos.

Maneiras de reduzir a exposição

Para aqueles com maior risco de infecção grave: faça tudo o que puder para reduzir a exposição ao vírus. Mantenha espaço entre você e qualquer pessoa que esteja doente. Evite multidões. Limite seu tempo em público, consolidando viagens para obter suprimentos. Quando sair, tente manter distância dos outros. Lave as mãos frequentemente . E se ocorrer um surto de COVID-19 em sua comunidade, fique em casa o máximo possível.

” Distanciamento social ” é a nova frase que descreve a maior parte disso, e vai contra o que normalmente defendemos para nossos pacientes mais velhos. Como geriatras, promovemos os benefícios do engajamento social para nossos pacientes; lembramos a eles os maus resultados de saúde associados ao isolamento social. Agora, com o COVID-19, os tempos mudaram. Mas junto com o risco de infecção por coronavírus, surge o risco de isolamento social. Como os idosos devem equilibrar essas recomendações concorrentes? Durante um período de distanciamento social, aqui estão quatro maneiras de os idosos permanecerem conectados socialmente.

1. Aprenda a nova tecnologia

FaceTime, Zoom, Skype, Facebook, Twitter, Snapchat e muito mais. Existem todos os tipos de opções on-line para conversar com familiares e amigos. E você não precisa ser conhecedor de tecnologia. Fazer o básico é fácil e, para a maioria das pessoas, divertido. Se a criação de uma conta for assustadora, peça ajuda a um vizinho, sobrinha ou sobrinho e um tutorial rápido.

2. Mantenha-se ativo na comunidade em casa

Pode parecer contra-intuitivo. Como você pode permanecer parte da comunidade se o objetivo é se separar da comunidade? Mas talvez haja uma opção remota. Muitas organizações – partidos políticos, grupos religiosos, organizações sem fins lucrativos – contam com voluntários para fazer chamadas telefônicas. Você pode fazer essa atividade claramente baseada na comunidade em casa.

3. Faça uma dieta de notícias

Mantenha-se informado, saiba o que está acontecendo, mas não fique preso a assistir “notícias de última hora” nos canais de notícias de 24 horas. Normalmente, não muda muito de hora em hora. Mas suportar a repetição de ataques da TV o dia inteiro pode trazer ansiedade desnecessária. Meus pacientes acharam os seguintes conselhos úteis: Assista a uma atualização de notícias pela manhã e faça o check-in novamente à noite. Não fique com ela a noite toda – 30 minutos ou uma hora é suficiente.

4. Estenda a mão para familiares e amigos

Fique em contato com as pessoas próximas a você, especialmente as que também são de distanciamento social. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças recomendam que as comunidades criem “sistemas de amigos” para garantir que as pessoas vulneráveis ​​e difíceis de alcançar permaneçam conectadas, particularmente às notícias sobre o COVID-19. Isso pode ser feito através da sua igreja, grupo social ou por e-mail diário da vizinhança. E para aqueles que não são idosos – por que não fazem questão de verificar seus amigos e parentes mais velhos? Essa consideração é sempre muito apreciada.

Distanciamento social não significa isolamento social, e mesmo um vírus potencialmente mortal não deve nos forçar a ficar sozinhos. Agora, mais do que nunca, as pessoas precisam encontrar maneiras inteligentes de permanecer conectadas.

* Texto publicado originalmente me inglês no site Weforum e traduzido para o site Revolução Prateada.

Leia outros textos em nosso blog clicando aqui.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *