Proteína ‘Gene da Longevidade’ oferece possibilidade de vida prolongada e saudável


Viver até a idade madura de 100 anos é muito mais provável para aqueles que tiveram a sorte de herdar o gene da longevidade. Mas e o resto de nós?

Um estudo recente sobre a proteína específica no gene que reverte o envelhecimento cardiovascular pode um dia aumentar drasticamente a possibilidade de alguém se tornar um centenário.

Pesquisadores italianos por trás do estudo dizem que seu modelo de terapia genética de longevidade oferece a possibilidade de combater doenças cardiovasculares ao revitalizar os vasos sanguíneos para um estado mais jovem. Isso poderia levar a vidas mais longas e saudáveis ​​para pessoas que não tiveram a sorte de nascer com genes ligados a uma vida mais longa.

Anteriormente, o grupo que trabalhava neste projeto descobriu o chamado “gene da longevidade” devido à sua prevalência em humanos que vivem até 100 anos e além. Eles também identificaram uma proteína específica, conhecida como BPIFB4, que é codificada pelo gene. Neste último estudo, os pesquisadores inseriram o gene no DNA de camundongos que são especialmente propensos a desenvolver aterosclerose (depósitos de placas de gordura nas paredes arteriais), assim, doenças cardiovasculares, devido a uma dieta rica em gordura.

“Os resultados foram extremamente encorajadores”, diz o coordenador da equipe de pesquisa Annibale Puca, da Universidade de Salerno, em um comunicado à imprensa. “Observamos uma melhora na funcionalidade do endotélio (a superfície interna dos vasos sanguíneos), uma redução das placas ateroscleróticas nas artérias e uma diminuição do estado inflamatório”.

Isso significa que os sistemas cardiovasculares de modelos animais que receberam o “gene centenário” foram renovados para o vigor juvenil.

Pesquisadores, em seguida, experimentaram em vasos sanguíneos humanos em um ambiente de laboratório. Eles colocaram a proteína BPIFB4 diretamente nos vasos sanguíneos – e alcançaram os mesmos resultados de rejuvenescimento.

Finalmente, os pesquisadores estudaram pacientes humanos. Eles descobriram que os vasos sangüíneos mais saudáveis ​​estavam associados a níveis mais altos da proteína do gene da longevidade no sangue. Eles também descobriram que aqueles que já portavam o gene mostraram ter níveis mais altos da proteína BPIFB4.

Os autores dizem que as descobertas podem ser um grande avanço na preservação da saúde cardíaca à medida que envelhecemos, permitindo potencialmente que as pessoas que não são portadoras naturais do gene da longevidade vivam mais tempo.

“É claro que muita pesquisa ainda será necessária”, diz Carmine Vecchione, reitora da Faculdade de Medicina da Universidade de Salerno, diretor da Unidade de Cardiologia do Hospital Ruggi D’Aragona. “Mas achamos que é possível, administrando a proteína aos pacientes, diminuir o dano cardiovascular devido à idade. Em outras palavras, mesmo que uma pessoa não possua essas características genéticas particulares, poderemos oferecer o mesmo nível de proteção ”.

A equipe de pesquisadores que colaborou no estudo veio do Departamento de Medicina, Cirurgia e Odontologia da Faculdade de Medicina de Salerno, juntamente com dois institutos de pesquisa italianos, o IRCCS Neuromed e o IRCCS MultiMedica. O estudo também foi apoiado pela Fundação Cariplo e pelo Ministério da Saúde italiano.

Os resultados foram publicados no European Heart Journal.

*Texto publicado em inglês por StudyFinds e traduzido para o Blog da Revolução Prateada.

Veja também: Exercício aumenta longevidade em idosos com problemas de saúde


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *