Segredo da Longevidade pode estar em uma planta japonesa


Os cientistas acreditam que uma planta japonesa usada na medicina tradicional asiática contém um composto que pode retardar o envelhecimento.

O composto é encontrado dentro da planta angelica keiskei koidzumi, conhecida no Japão como ashitaba. Cultivada em grande parte no centro do país e consumida em formas frescas ou secas, tradicionalmente tem sido usada como um remédio para tratar azia, úlcera estomacal, pressão alta e colesterol, febre do feno, gota e constipação.

Os pesquisadores identificaram o flavonóide 4,4′-dimetoxicalcona (DMC), que eles descreveram como um “composto natural com propriedades antienvelhecimento” na planta.

Em um estudo publicado na revista Nature Communications , os pesquisadores disseram que a desaceleração do processo de degeneração pode ser uma abordagem importante para combater doenças relacionadas, já que é um fator de risco para doenças cardíacas.

Atualmente, acredita-se que restringir as calorias, evitando a desnutrição, afete o envelhecimento, além de tomar medicamentos pró-longevidade, escreveram os autores. Mas evitar comer pode ser difícil para a pessoa de média idade, eles notaram.

Em testes em células humanas, os cientistas descobriram que o DMC parece retardar a senescência, o processo no qual as células param de se dividir e começam a crescer permanentemente, o que tem sido associado ao câncer.

Testes em animais também mostraram resultados promissores. Quando os cientistas alimentaram vermes e moscas da fruta, o composto pareceu aumentar sua expectativa de vida em 20%. Também protegia os corações dos ratos quando o fluxo sanguíneo era bloqueado.

A equipe acredita que o DMC poderia funcionar ativando a autofagia, um processo de reciclagem nas células onde as células danificadas são removidas.

No ano passado, os pesquisadores por trás de um estudo separado forneceram uma nova visão sobre o processo de envelhecimento, concluindo que  atividades como corrida, natação e ciclismo poderiam retardá-lo melhor do que o levantamento de peso.

O estudo, publicado no  European Heart Journal,  investigou como diferentes tipos de exercício afetam os telômeros, os compostos no final de nossos cromossomos que protegem nosso DNA. Eles são considerados o relógio da vida: envelhecemos enquanto eles se perdem.

Os cientistas descobriram que o treinamento intervalado de alta intensidade e o treinamento de resistência prolongaram os telômeros e aumentaram a atividade da telomerase. No entanto, o treinamento de resistência não teve o mesmo efeito.

Ioakim Spyridopoulos, professor de cardiologia e gerontologia cardiovascular na Universidade de Newcastle, na Grã-Bretanha, disse à Newsweek na época: “O resultado mais surpreendente é que o exercício aeróbico, mas não o treinamento de resistência, induziu a atividade da telomerase”.

“Isso ocorre apesar do treinamento de resistência levar a um aumento similar no consumo máximo de oxigênio, sugerindo um mecanismo diferente, talvez vantajoso, de como o exercício aeróbico pode atrasar o processo de envelhecimento, comparado ao exercício de resistência”, disse ele.

Texto originalmente publicado no News Week e traduzido pela Revolução Prateada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *