Como deixar o cérebro afiado na velhice?


Um novo estudo sugere que um estilo de vida mais ativo, incluindo atividades físicas, cognitivas e sociais, pode ajudar a manter a cognição em adultos mais velhos.

Manter-se ativo na velhice pode ajudar a preservar suas habilidades de memória e pensamento, sugere um novo estudo. De fato, pessoas mais velhas que eram fisicamente ativas mantiveram suas mentes afiadas, mesmo que seus cérebros mostrassem sinais de lesões ou outros marcadores ligados à doença de Alzheimer ou outras demências, descobriram os pesquisadores.

“A atividade física pode fornecer reserva cognitiva”, que ajuda a preservar o cérebro, mesmo em face da demência, disse o pesquisador Dr. Aron Buchman. Ele é professor de neurologia no Centro Médico da Universidade Rush, em Chicago.

O estilo de vida parece desempenhar um papel importante em manter a mente afiada enquanto envelhecemos, disse ele. Outros estudos descobriram que manter a atividade social e mental também melhora as habilidades mentais.

“Juntos, estes sugerem que um estilo de vida mais ativo, incluindo atividades físicas, cognitivas e sociais, pode ajudar a manter a cognição em adultos mais velhos”, disse Buchman.

Buchman disse que não sabe como esses fatores protegem o cérebro, que tipo de exercício é melhor ou quanto é protetor. Apenas uma associação foi vista no estudo e mais pesquisas são necessárias.

Para o estudo, a equipe de Buchman analisou 454 idosos. Havia 191 que tinham demência e o resto não.

Os participantes tinham exames físicos e testes de memória e habilidades de pensamento a cada ano durante 20 anos.

Os pesquisadores descobriram que os participantes mais ativos tinham melhor raciocínio e habilidades de memória do que aqueles que levavam vidas mais sedentárias.

As pessoas que tinham melhores habilidades motoras – aquelas que ajudam no movimento e coordenação – também tinham habilidades de pensamento e memória melhores, descobriu o estudo.

Buchman disse que a atividade física e as habilidades motoras foram responsáveis ​​por 8% da diferença nas pontuações dos participantes em testes de pensamento e memória.

Keith Fargo, diretor de programas científicos e divulgação da Associação de Alzheimer, disse que mesmo as pessoas que são muito idosas e viveram um estilo de vida sedentário podem ver um benefício do exercício. Segundo ele o exercício aeróbico parece ser o mais benéfico. O exercício aeróbico aumenta a respiração e a frequência cardíaca de uma pessoa. Inclui atividades como caminhar, nadar e andar de bicicleta.

“Eu digo às pessoas que nunca é tarde demais para começar e nunca é cedo demais para começar”, acrescentou.

Texto originalmente publicado na Health24 e traduzido pela Revolução Prateada.

Continue com a gente e veja mais conteúdos sobre a Economia da Longevidade. Vida longa!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *