Como o exercício aeróbico beneficia o cérebro – especialmente à medida que envelhece


Um recente estudo da Universidade de Colúmbia baseia-se em pesquisas anteriores ligando o exercício aeróbico à função cognitiva e a melhora da espessura cortical em adultos de meia-idade e idosos. Veja aqui o que as descobertas podem significar para você.

Você consegue se imaginar vivendo com doenças neurológicas crônicas e disfunções que o impedem de aprender, raciocinar, se comportar apropriadamente ou até mesmo lembrar informações básicas? Estes são exemplos de funções cognitivas, que são os sofisticados processos mentais pelos quais somos capazes de realizar tarefas diárias e navegar pelo mundo ao nosso redor. O modo como aprendemos as coisas, como nos lembramos delas, resolvemos problemas e prestamos atenção aos detalhes pode se deteriorar com um leve comprometimento cognitivo e pode ser destruído com formas mais agressivas de demência. Nossas habilidades cognitivas também podem diminuir com a idade.

Um grupo de pesquisas anteriores mostrou que alguns declínios relacionados à idade na função cognitiva podem ser normais e comuns. Embora a demência e a doença de Alzheimer também estejam associadas a declínios cognitivos relacionados à idade, essas condições não são consideradas normais e, na verdade, são deficiências cognitivas relacionadas à doença. Em vez disso, declínios na cognição relacionados à idade normal podem incluir reduções na velocidade do processamento mental, ou queixas de memória “incômodas” – como “Onde coloquei minhas chaves?” ou “Qual foi o nome daquele filme que vimos no mês passado?”

Pesquisas também indicam que não importa a sua idade, habilidades cognitivas bem desenvolvidas não são necessariamente a mesma coisa que inteligência. De fato, estudos de neuroimagem demonstraram que a capacidade intelectual ou a inteligência geral estão positivamente ligadas a quão bem desenvolvidas são as estruturas específicas do cérebro – incluindo a espessura do córtex cerebral, também referida como espessura cortical. Como você provavelmente adivinhou, o córtex cerebral afina à medida que envelhecemos.

Então, se a função cognitiva e a espessura do córtex diminuem à medida que envelhecemos, há algo que possamos realmente fazer para impedir que isso aconteça? Existe uma “fonte da juventude” para o cérebro? Como o estudo da Columbia destaca, sim, há algo significativo que podemos fazer em qualquer idade para melhorar a função cognitiva e a espessura cortical, além de ajudar a evitar alterações cerebrais relacionadas à idade. E é um exercício aeróbico.

Surpreso? Anatomia do cérebro e lições de função à parte, aposto que, se você for como a maioria das pessoas, provavelmente acha que melhorar o processamento mental ou melhorar suas capacidades intelectuais tem a ver com a informação que alimenta seu cérebro. Material de leitura de alto nível, quizzes, coisas como essas, certo? Embora o engajamento em tais atividades seja grande, o que os pesquisadores da Columbia realmente descobriram foi que quanto mais a pessoa participava do exercício aeróbico, mais pronunciado o efeito positivo estava em sua função cognitiva e espessura cortical. E, além disso, eles descobriram que esses benefícios também foram realizados em indivíduos de meia-idade. Outro aspecto fascinante do estudo foi o fato de que os pesquisadores não selecionaram pessoas que eram consideradas “praticantes regulares”. Em vez, eles queriam testar suas hipóteses em pessoas consideradas com um nível “abaixo da média” de aptidão cardiovascular. Isso é ainda mais animador para as pessoas que foram sedentárias durante a maior parte de suas vidas. A pesquisa continua a provar que nunca é tarde demais para se beneficiar do exercício de bombear o coração.

Um dos fatores complicadores com que me deparo diariamente é o impacto que a dor pode ter em um indivíduo disposto a fazer exercícios e desejoso de fazê-lo, mas incapaz de fazê-lo devido à artrite degenerativa ou a alguma lesão musculoesquelética . Como especialista em medicina da dor , minha prática médica diária envolve esforços para reduzir e eliminar a dor – para melhorar a qualidade de vida e a função geral. Mas, como neurologista, estou ciente de quão importante é o manejo da dor por sua capacidade de preservar a capacidade de exercício dos meus pacientes – e os benefícios associados desse exercício ao cérebro.

Em uma sociedade em que o exercício físico é visto com mais frequência como essencial para nosso físico e imagem corporal externos, estudos como esse ajudam a destacar a verdade: o exercício é ainda mais importante para os processos que ocorrem no interior do corpo, incluindo os do cérebroEntão, deixe as desculpas. Você não é muito velho. Você não é muito sedentário. Converse com seu médico e comece com uma rotina de exercícios aeróbicos gerenciável e divertida para que você possa ficar seguro e motivado. Fique com ela e aproveite as recompensas do corpo e do cérebro por toda a vida.

*Texto escrito em inglês por Dr. Vernon Williams e traduzido para o Blog da Revolução Prateada.

Continue no Blog da Revolução Prateada e veja outros conteúdos como esse!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *