Idosos estão optando por procurar companheiros de quarto, segundo dados do serviço Badi


Seja para suplementar suas aposentadorias, combater o efeito do aumento dos aluguéis ou simplesmente para uma aventura, os idosos estão optando por procurar companheiros de quarto, de acordo com dados do serviço Badi.

Por FERNANDO PEINADO

Ela pode ter 71 anos, mas a Visitación Gracia, também conhecida como Visi, acaba de começar a compartilhar seu apartamento com estranhos. Nos últimos dois meses, ela alugou um quarto em sua casa em Prosperidade para um jovem casal venezuelano que encontrou por meio do Badi, um aplicativo de smartphone que funciona, como ela diz, “como o Tinder para colegas de quarto”.

Visi tem uma boa pensão, mas ela a usa para sustentar um de seus filhos“O aposentado não tem um membro da família para ajudar?”, Pergunta ela, acrescentando que a mudança é simplesmente um sinal dos tempos.

A popularidade de Badi entre a geração mais velha pegou os fundadores do aplicativo de surpresa. Quando foi lançado em 2015, eles estavam indo atrás da geração do milênio – estudantes ou jovens com baixos salários. Seu mercado-alvo foi refletido na publicidade que cobria as paredes das estações de metrô em Madri e Barcelona, ​​mas isso foi modificado para a última campanha, que mostra pessoas de todas as idades usando o aplicativo.

“Algumas pessoas dizem que são velhas demais para isso, enquanto outras se mantêm informadas sobre os desenvolvimentos”, diz o anúncio de TV mais recente, que mostra uma mulher madura saindo para uma selfie com um menino mais novo.

Com 1,2 milhões de pessoas com mais de 65 anos vivendo em Madri – 18% da população – há várias iniciativas para incentivar os idosos a compartilhar suas casas. Um deles é o Hogar y Café, da Fundação Pilares, que ajuda os idosos com recursos financeiros limitados.

Financiado pelo governo regional de Madri, o programa foi criado este ano depois que um estudo conduzido pela fundação descobriu que muitos dos idosos em uma situação financeira comprometida estavam tendo dificuldade em encontrar um lugar para morar. Na região de Madrid, a pensão média em 2017 foi de € 1.263 e a pensão de viúva, € 737, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Enquanto isso, o aluguel médio na região é de € 1.124 para um apartamento de tamanho médio de 76m 2 , de acordo com a plataforma de propriedade online Idealista.

A ideia por trás do programa da fundação é que os colegas de quarto seriam da mesma geração. Atualmente, ainda está em fase de entrevistas com anúncios em centros de idosos em Madrid. “Compartilhar um apartamento é uma opção para muitos dos idosos que querem continuar vivendo com dignidade”, diz Conchi García, coordenador da iniciativa.

A solidão é outro dos problemas que a fundação identificou. Segundo o estudo, muitos dos entrevistados reclamaram da falta de apoio dentro da comunidade. “Antes, havia muita vida com os vizinhos”, disse um entrevistado. “Agora você não conhece os vizinhos.”

Muitos dos que se inscrevem no programa são aposentados e lutam para pagar o aluguel com suas pensões, como Consuelo Vicente, 64, que mora em Malasaña e cujo aluguel aumentou significativamente nos últimos anos. “Como as pensões não são muito importantes, é bom reunir recursos e você também obtém companhia”, diz ela, acrescentando que espera que o programa designe seus possíveis colegas de quarto.

Para muitos, será uma novidade compartilhar seus arranjos de vida com um estranho, injetando frescor em suas vidas. Visi, por exemplo, vê isso como uma aventura. “Quem teria pensado?” Ela ri. “Você nunca sabe onde a vida vai levar você!”

*Texto original em inglês publicado por El Pais e traduzido para o Blog da Revolução Prateada.

Veja também: Como viver mais: laços sociais fortes podem ser a fórmula secreta para uma vida longa


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *